14/09/2009

Buenos Aires - dia 6

27/agosto

17h05

Hoje fez mais calor que o verão de São Paulo! Tá bom, nem tanto, mas está muito quente. O Thomaz tomou café com tostado mixto. Muito bom o sanduíche, num pão fininho, de miga, e recheio na quantidade certa. Pegamos o ônibus 152 em direção ao Caminito - descemos na garagem da viação. Estávamos a duas quadras de nosso destino. É uma região muito pobre, abandonada e com muitos cortiços.

O Caminito é como o pelourinho: bonito, colorido, cheio de lojinhas de lembrancinhas e com muita gente abordando os turistas para comerem no restaurante X ou Y. Mais ou menos como na Calle Florida, mas sem as lojas de couro. Compramos algumas coisas e fugimos das pessoas que assediavam os turistas. Eles também cobravam para tirar fotos com dançarinos de tango e com um sósia do Maradona. Fomos à La Bombonera, mas não fizemos o tour dentro do estádio porque o chato do TO+ não gosta de futebol, apesar de alegar que torce para o Curíntia.

Partimos em direção a um restaurante muito antigo e numa região abandonada do antigo porto, El Obrero (e tem este outro link aqui). Eu pedi meia porção de rabas (anéis de lula, na foto) gigantes que foram as mais tenras e carnudas que já comi ever! (por apenas 9 reais) O Thominho foi de peixe ao molho de roquefort e batatas cozidas. Não sabíamos, mas o prato dava para dois e custa só 13 reais. Resultado: comemos pra cacete, de novo. O peixe chama algo como Boroton, Brejon, Boro-alguma-coisa, bem branquinho e de filet alto. Hum! A conta: 21,50 para cada, com 2 Quilmes de 650 ml.

Voltamos para o nosso pagamento de promessa diário (andar como uns camelos para conhecer a cidade) só que debaixo de um sol desértico! E as árvores que poderiam abrandar o calor estão todas secas, como no resto da cidade. A região do restaurante também não contribui muito para fazer do caminho um passeio prazeroso.

Queríamos visitar o Museo de Arte Moderno. Para chegar até lá, subimos uma das únicas ladeiras de Buenos Aires - e era só uma quadra de subida (ladeira para os padrões porteños, não para os paulistanos). Depois de camelar muito e passar tanto calor, foi frustrante ver que o museu estava fechado para reforma. Já estávamos em San Telmo.

Foi reconfortante ver que a linha 29 passava por lá. É uma linha de ônibus que passa por todos os lugares, de Olivos até a Boca, ziguezagueando pelo centro. Enfim, passa em Palermo e lá fomos comprar sabonetes para levar de lembrança, e para nós também. Gastamos 108 pesos em sabonete - nunca havia gastado tanto com isso! É uma lojinha tradicional, bem simples, num lugar onde tudo é descolado/chique, chamada Sabater Hermanos (na foto). Nosso dinheiro acabou e fomos para a Plaza Cortazar, tomar 1,5 litro de cerveza Quilmes e descansar. Fomos abordados por inúmeros vendedores e pedintes. A diferença em relação ao Brasil é que não entendíamos uma só frase do que diziam.

Abaixo, outras fotos do Caminito e da Plaza Cortazar



Um comentário:

Felipe disse...

Laurão, essa última foto é a imagem que mais te representa.